domingo, 28 de outubro de 2012

A saga do reconhecimento - parte II

Prestes a viver o período da Páscoa (inícios de Abril), volto a contactar as minhas referências neste processo para lhes pedir uma carta detalhada da minha actividade profissional durante o período em que trabalhei com cada um deles. Enquanto esperava que esta informação chegasse por correio (porque que tinha de enviar os originais assinados por eles!), descrevi detalhadamente toda a minha vida desde que entrei na universidade até que vim para o Reino Unido. Não quis que lhes faltasse nada!...

Dia 17 de Abril estava a enviar mais um grande pacote para fundamentar e fornecer a tal informação "adicional" requerida. Mais de 15 dias depois, mais precisamente no dia 2 de Maio, recebo nova carta a dizer que receberam a minha reposta ao pedido deles. Deve ter sido problema dos correios (mais) este atraso... na carta disseram que tomariam a decisão final até 3 semanas após a data da carta. Mas o facto é que só dia 3 de Julho (quase 3 meses depois, e após um sem número de chamadas com respostas evasivas e, por vezes, revoltantes!) recebo a tão desejada e mais do que esperada notícia: estava autorizada a exercer Psicologia no Reino Unido! Finalmente, as coisas estavam a melhorar a olhos vistos desde que cá chegamos!

E desde esse passo até começar a ir a entrevistas passou-se apenas cerca de 1 semana! E daí até arranjar emprego menos de 1 mês e meio! Claro que isto não quer dizer que seja assim tão fácil encontrar emprego, é apenas a minha experiência!

Com o meu exemplo, pretendo alertar os eventuais interessados para esta provável espera mas que, tal como eu, se não desistirem valerá bem a pena no fim! No Reino Unido, como em quase toda a Europa, as coisas não estão fáceis e logicamente tenta-se priorizar os nacionais. Os estrangeiros têm de demonstrar muito claramente que são uma mais valia para poderem ser aceites. Mais ainda num país que claramente está com um pé (e meio, dizemos nós) fora da União Europeia e que tende a desvalorizar tudo o que venha do "continente"...

A HCPC regula o exercício das seguintes profissões: técnico de análises clínicas, podologista, terapeuta ocupacional, paramédico, dietista/nutricionista, ortopedista, fisioterapeuta, psicólogo, protésico/ortodontista, radiologista, assistente social (em Inglaterra apenas) e terapeuta da fala. Sem o reconhecimento da HCPC, ninguém pode usar estes títulos profissionais (logo, não pode trabalhar no país). E já se sabe como são os Britânicos quanto às regras...mais, qualquer denúncia quanto à prática de um qualquer profissional destas áreas é analisada e eventualmente sancionada pela HCPC.
Caso pretendam saber mais sobre este a regulação destas profissões, deixo o link da HCPC. Uma outra nota que deixo é que o exercício de qualquer destas profissões não é por tempo indeterminado. Tem de ser renovado de dois em dois anos! Mas isso é igual para todos, nacionais e estrangeiros.

Já os médicos e enfermeiros têm outros reguladores, portanto não posso comentar como será o seu processo. Mas pela amostra do que temos visto, parece-nos que o processo para a regulação dos enfermeiros tem menos empecilhos. Talvez pela grande carência destes profissionais por cá...são uma verdadeira comunidade já! Visitem a Diáspora dos Enfermeiros para o comprovarem!

Boa sorte, caso decidam seguir-nos o exemplo, e não desistam pois também não desistimos e chegamos até aqui!
 

6 comentários:

Mónica Pires disse...

Olá:)

Sou estudante de psicologia, nesta altura estou no primeiro ano de mestrado em Psicologia Clínica e com este país numa calamidade a nível profissional, estou já a informar-me e a tentar saber melhor como funciona toda a burocracia para poder exercer no estrangeiro... Achei o post bastante interessante e explicativo para o meu caso.
Se nao fosse demasiado inconveniente, gostaria de saber qual o seu feedback de como é realmente trabalhar em psicologia aí, e quais as funções que está a exercer neste momento como psicologa. Pergunto isto porque tenho uma amiga a trabalhar em Londres(mas nao na area) e ela diz que para trabalhar no Reino Unido, o facto de ter o mestrado não é uma mais valia.. e gostaria de saber esclarecer esses pormenores. Obrigado pelo post e pela partilha.
Boa sorte tambem para esta nova fase:)

(se achar mais fácil contactar-me por mail: monicaatpires@hotmail.com)

Sandra Vieira disse...

Olá,

Chamo-me Sandra e estou neste momento quase a acabar o estágio da OPP.

Há algum tempo que ando á procura de informação sobre como é o todo o processo para exercer no RU. Foi com grande entusiasmo que vi este blog!

É bom saber que ainda é possível ambicionar uma carreira no Reino Unido! Desejo-lhe desda já as maiores felicidades para esta nova etapa!

Estou decidida a ir para o RU dentro do próximo ano. Já sei algumas coisas mas continuo com muitas dúvidas.

Gostaria muito de falar consigo se for possível.

Deixo o meu mail: sandrammvieira@gmail.com

Cristina Teixeira disse...

Olá o meu nome é Cristina e também estou na "Saga do Reconhecimento" desde Abril deste ano.

Por mais provas que envie o HCPC não e reconhece como Psicóloga. Atá duvidam da minha habilitação em Psicologia na área da Saúde (para ale de pedirem provas de experiência profissional).

Já envie uma carta escrita pela própria directora do departamento de Psicologia da minha faculdade.

Como poderei inverter esta situação?

Estou prestes a ir viver para Inglaterra e queria ter tudo organizado antes de ir.

Por favor ajude-me?

E-Mail: cfcm.teixeira@gmail.com.

Obrigada.

sophie disse...

Olá

O meu nome é Sofia Ferreira, e já sou membro efectivo da OPP Portuguesa, terminei a pouco tempo todo o processo necessário.
Gostaria de saber o que fazer e que documentos são necessários para exercer psicologia no Reino Unido.

Será que me pode ajudar?

O meu email é anuscka_23@hotmail.com

Obrigada.

Mónica Ferreira disse...

Boa tarde,

vejo que várias pessoas já colocaram questões sobre a profissão no Reino Unido! Também sou estudante de psicologia e estou no 4º ano do Mestrado integrado. No final do 5º ano adorava conseguir fazer um estágio no Reino Unido, mesmo que não cumprisse os requisitos para a Ordem, mas como deve imaginar tem sido incrivelmente difícil conseguir informação sobre locais que aceitem estagiários internacionais. Será que podia dar-me alguma informação sobre o tópico?

Agradeço desde já e desejo-lhe muito sorte por terras de sua majestade!

Mónica Ferreira, fbaltazarmonica@gmail.com

Renatamc disse...
Este comentário foi removido pelo autor.