sexta-feira, 16 de março de 2012

Uma aventura no Consulado de Portugal

Um passo importante para quem chega de terras lusas a um novo país é a inscrição no Consulado de Portugal. Importante porque dá conhecimento da nossa presença no país (o que é muito útil no caso de uma emergência), mas também porque é o passo prévio para qualquer outro acto consular que seja necessário. Entre outros, o pedido/renovação/alteração do cartão de cidadão ou passaporte são actos consulares que requerem a inscrição prévia no Consulado. Daí, esta é uma formalidade que se pode ir adiando mas, mais cedo ou mais tarde, vai acabar por ser necessária. Então, para não deixar para amanhã o que se pode fazer hoje, lá encetamos os passos necessários para a inscrição consular.

Ao pesquisar as experiências de vários tugas na blogosfera (Tuga em Londres, London Calling, Londonices), logo percebemos que não ia ser tarefa fácil. Para começar, é preciso marcar com uma antecedência significativa (por email, telefone ou fax) a ida ao Consulado e dizer exactamente o que se quer lá ir fazer! Para cada pedido, uma marcação! Tudo isto devido à crescente afluência de portugueses a estas bandas e de outras pessoas que não falam uma palavra de português mas que tem direito à nacionalidade portuguesa por via das nossas antigas colónias no Oriente…

Já de “pé atrás”, contactamos o Consulado de Portugal em Londres por email. A resposta veio dois dias depois: tomavam nota do pedido, mas a marcação teria de ser feita com o Consulado de Portugal em Manchester, visto vivermos em Cardiff! Estranho, pensamos nós, Londres é mais perto de Cardiff que Manchester, porque raio temos de ir a Manchester? A resposta é aceitável: Manchester fica a 60 km da fronteira com o Norte do País de Gales, logo toda a gente que more em Gales tem de lá ir (mesmo que more a 280 km, como nós!). Contactamos então o consulado de Manchester e marcamos a ida. Como nunca tínhamos ido a Manchester, até se tornou uma boa oportunidade para conhecer (apesar das limitações de tempo de uma viagem de um só dia!).

A marcação foi feita para as 9.15 horas o que significou na prática ter de apanhar um comboio às 4.35 da manhã... o que por sua vez implicou que tivéssemos acordado às 3 da manhã! A viagem começou mal, pois alguém da companhia dos comboios adoeceu e foi preciso substitui-lo, o que significou uma partida com atraso de meia hora. Mas, extraordinariamente, o comboio recuperou o atraso e ainda chegou 3 minutos antes do horário previsto a Manchester Piccadilly (a estação principal de comboios de Manchester), às 8.07 minutos!

O Consulado de Portugal em Manchester está situado em pleno coração da cidade, no segundo piso de um edifício bem bonito, como as imagens documentam.



(A renda é que não deve ser bonita, mas o défice paga…)

A experiência no Consulado, ao contrário do que nós próprios imaginávamos, foi muito boa! Ao chegarmos, reparamos que não havia fila, estava um sossego e não demoramos mais que cinco minutos a ser atendidos. Na frente visível do Consulado estavam quatro funcionários. A funcionária que nos atendeu foi extremamente simpática e solicita, e tudo decorreu sem problemas. Um outro funcionário também nos esclareceu as dúvidas que tínhamos e inclusivamente aconselhou-nos a fazer o recenseamento eleitoral naquele instante, o que nos poupa uma viagem a Manchester de propósito para o efeito. Foi, portanto, uma boa experiência, que contrasta com os tenebrosos relatos sobre o Consulado de Portugal em Londres. O facto de o Consulado de Portugal em Manchester ter sido inaugurado em 2006 e de nesta zona (talvez!) existirem menos portugueses deve justificar a fluidez do serviço. Só por isso valeu a pena ir a Manchester em vez de Londres.

Ainda antes das 10 da manhã estávamos despachados e tivemos assim cerca de 8 horas (a viagem de regresso era às 18.30 horas) para dar uma volta pela cidade de Manchester. O centro da cidade é bastante compacto e é relativamente fácil de chegar às principais atracções a pé. Para vos abrir o apetite aqui ficam algumas fotos do centro da cidade e da zona ribeirinha.



Apesar de ser nitidamente uma cidade vibrante e cosmopolita, confessamos que preferimos “cá em baixo”…são gostos!

A viagem de regresso correu bem pior que a de ida…um acidente numa das primeiras estações em direcção a Cardiff parou toda a circulação e transformou uma viagem de 3 horas e meia numa viagem de 5 horas! 8 horas e meia de viagem em menos de 24 horas é dose, mas pelo menos valeu a pena!

4 comentários:

Biah M. disse...

Bom dia, José! Primeiramente parabéns pelo blog. Encontrei procurando por posts sobre experiências no Consulado de Portugal em Manchester, mas tenho lido vários outros posts seus, que são muito interessantes pra mim que acabei de chegar na Inglaterra. Queria te perguntar se você lembra como conseguiu agendar um horário no Consulado em Manchester, e pra quantos dias/semanas depois? Li muitas coisas ruins sobre os consulados, e seu post me deu alívio, porém não atendem telefone nem responderam meu email enviado há 6 dias. Agradeço sua resposta!

José Barros disse...

Olá!

Em primeiro lugar, muito obrigado pelas simpáticas palavras. É um gosto ajudar, aliás é esse um dos nossos objectivos do blog.

Quanto à questão, o que fizemos foi enviar um e-mail para o consulado de Manchester (consulado@manchester.dgaccp.pt) e passado uns 2/3 dias responderam-nos com a data para a marcação. Se já passaram 6 dias, é de estranhar, mas pode ser uma altura complicada. A marcação que nos fizeram foi para 10 dias depois do e-mail que enviaram. É possível que eles não atendam chamadas, e-mail deve ser a melhor forma.

A experiência no Consulado, tal como relatámos, não foi assim tão assustadora!:) Esperamos que corra bem!

Felicidades e bem-vinda ao Reino Unido!

Ricardo disse...

Bom dia a todos!
Faz mais de duas semanas que tento falar com o consulado em Manchester, nunca, mas nunca atendem! Come;co a desesperar.... qual e' a formula ma'gica para atenderem a porra do telefone????

Obrigado pela ajuda...

José Barros disse...

Olá Ricardo,

Infelizmente não há fórmula mágica... tal como dissemos no post, a solução é esquecer o telefone, mandar e-mail e esperar que eles respondam com uma marcação. É essa a nossa experiência e o feedback que temos de outros. É lamentável que o nosso país não providencie aos consulados uma estruturação que nos sirva melhor (e somos cada vez mais!). Esperamos que tenha sorte.